domingo, 8 de março de 2015

...o importante vai ficando invísivel aos olhos?

A minha família é como as outras, o lugar onde moro, trabalho, convivo, é como o dos outros - igual ou diferente, a cada pormenor, mas com condicionalismos globais semelhantes... Afinal, vi os mesmos programas televisivos que os outros, tive curriculum escolar igual e tive pais, vizinhos, professores, colegas, amigos que eram uns pensadores de coração outros mais moldados por exemplos de exclusão. 
Sempre achei "normal" a "diferença".
Como todos (?) temo ferir suscetibilidades quando me deparo com algum tipo de deficiência com alguma pessoa com deficiência e não sei se devo oferecer ajuda e qual...
Se me parece que alguém tem dificuldades, opto por lhe dizer, discretamente, que diga se precisar de algo. Se não percebo a forma como fala, digo-lhe exatamente isso: que estou com dificuldade em entendê-la e peço que tenha paciência comigo e tente explicar-me melhor/de novo.
No início dos meus tempos, os "aleijadinhos" ou "maluquinhos" ficavam em casa, escondidos; depois, tiveram direito a "instituições" crescentemente mais educativas, mas vi muito surdo passar por "atrasado mental" (termo usado, sempre, de forma pouco própria e que ficou enraizado no nosso léxico - eu própria o uso como insulto, escapa..., faz parte da língua que aprendi...), muitos e muitos com paralisia cerebral ficarem esquecidos como vegetais...

Este vídeo mostra o resultado de uma vida de coração fechado, de premissas erradas, de atitudes que vão doer nos corações de quem sente e é pessoa...
e...
bem-aventurados os pobres de espírito,
que terão um reino reservado (onde, certamente, as deficiências/diferenças existirão).
Será pobre o espírito que nem vê o mal nos olhos alheios?
Será pobre o espírito que já não vê o importante de cada um de nós?
.

Sem comentários:

Enviar um comentário