domingo, 3 de agosto de 2014

DAHeta

Sempre que  tenho oportunidade, procuro alimentos saudáveis e, muitas vezes, reconhecidos como tendo algum efeito terapêutico, pois detesto tomar medicamentos processados e, havendo alternativa mais saudável para curar uma gripe, facilitar a digestão, ou tratar qualquer maleita, tento encontrá-la e experimentar novos sabores, também.
Confesso que não me lembro se já alguma vez tinha adquirido gengibre au naturel... cheguei a ter daquele em pó/frasquinho, mas não usei para mais que temperar o puré de batata!
Como ontem comprei um belo pedaço, fui procurar dicas de consumo e...
Dieta disto, dieta daquilo, emagrecer trá-lá-lá..................UFFFFFFFFFFFF, parece que não há mais no mundo que o e-ma-gre-cer! E, convenhamos, a vida faz-nos engordar de maus hábitos e maus produtos alimentares, nomeadamente as supostas fontes de proteínas engordadas-à-pressa e nada saudáveis (fora o facto de que comer mamíferos me repugna profundamente!) - e é para fugir ao mau-comer que procuro produtos naturais para introduzir nos meus hábitos, mas, pelos vistos, só é divulgado algo de "novo" das antiguidades naturais-alimentares para se criar mercado da indústria de emagrecimento! E a consequência é, geralmente, um preço absurdo numa qualquer baga ou raiz, que os nossos avós-agricultores deixaram de produzir por falta de mercado ou nunca chegou à nossa terra, por desconhecimento das suas propriedades alimentares e, eventualmente, terapêuticas...
Agora, pagamos demais e levamos com a propaganda-de-dieta!
A consequência secundária desta atitude-comercial é a criação, em paralelo com os gordos-da-civilização-consumista, do grupos dos (geralmente das) magras-que-até-agonia-de-susto!
Safa! Daqui a pouco vou ralar o meu gengibrezinho, porque me apetece e porque até tenho um dó-dói que quero ver se melhora...



Sem comentários:

Enviar um comentário