sábado, 1 de fevereiro de 2014

close encounter of the third kind*


(*ou mais uma justificação, de bandeja, para os meus amigos me atribuírem insanidade)

Quando eu tinha cinco anos, a vida era bem diferente e sem preocupações… podia brincar livremente no bairro, e não se esperava que um carro me passasse por cima ou que um violador ou um vendedor de crianças me agarrasse a cada esquina.
Ali andava eu, a passear com o meu triciclo, completamente despreocupada, como se é nessa idade, e algo me chamou à atenção – penso que um ruído… – e olhei para o lado e apanhei um susto monumental! Debaixo de uma enorme árvore estava um “bicho” que nunca tinha visto e era enooooorme! “Desmontei” e agarrei o meu rodinhas, atirei-o por cima do portão da frente e corri para o portão lateral da casa, que eu sabia estar aberto.
Tentaram acalmar-me dizendo que vi este ou aquele animal, mas, nunca percebi o que era e só muitos anos mais tarde tentei racionalizar a questão. Das “medidas” que desenhava na terra batida, depois do acontecido, calculei que tivesse uns dois metros de altura e sempre me lembrei do aspeto cartooniano que tinha e da expressão preocupada que lhe li na face, como se não quisesse, de todo, assustar-me…
Seria possível haver um planeta onde os habitantes são brancos e têm uma barriga vermelha oval desenhada e orelhinhas pequenas espetadas? 

Sem comentários:

Enviar um comentário