domingo, 8 de dezembro de 2013

solidão comunitária




quando olho em redor, vejo uma imensidão de pessoas sós
algumas conversam, aglomeram-se brevemente
mas
acho que, provavelmente, deveria estender ao limite possível e desagradável, aquela expressão que ouvi: as comunidades não existem, formam-se momentaneamente, fruto de necessidades ou circunstâncias…
e, o problema, é que parecemos padecer de um medo tão grande dos outros e das circunstâncias, que qualquer comunidade é ténue, lábil, e pode ser desfeita com um simples estalar de dedos, ou, melhor diria, com um insignificante lapso de comunicação (os media de comunicação podem levar a isso: e-mails, plataformas sociais on-line e até espaços físicos de momentos de encontro e, até, a trica ou mexerico a que se dá credibilidade num mar de conversas fúteis, ou fruto de mentes inseguras que espalham ódio para colher frutos amargos e estéreis…)
não investimos em relação humanas
mas, dependemos delas,
são tão importantes como o ar que respiramos
mas fugimos
fugimos de pessoas
e morremos
todos os dias um bocadinho
de solidão
escolhida ou imposta
por este estado de ser
humano
imagem: "Finding Peace in Solitude" by Si2 
 in:  http://disjointedthinking.jeffhughes.ca

Sem comentários:

Enviar um comentário