sábado, 4 de agosto de 2012

Uma palavra para os anormais:


Olá
Hoje, quero falar dos anormais!

Certamente, todos já viram pessoas todas tortas, pessoas que coxeiam tremendamente, que têm braços tortos, que têm os olhos divergentes, que têm orelhas incompletas, que não têm pés, ou mãos, ou pernas, ou braços, até que, em lugar do nariz têm um buraco, que têm os olhos longe um do outro, que não têm olhos… pois, e já pensaram como é bom para a torta, coxa, sem membro andar?; para a de olhos divergentes ver?; para qualquer uma delas ser consciente, pensar, viver, SER FELIZ – ou vocês não pensam, e fazem parte do monte de energúmeros incapazes anormais que não aceitam as diferenças?

É, a tradição de fechar em casa os “diferentes da norma” foi passando, mas a visão que se tem e faz de cada ser humano com diferença não passa!
E, haja um qualquer deficit, serão sempre as diferenças “visíveis” que provocam a exclusão por incompreensão.

Vá lá… PENSE, e não seja "anormal"!!!!!!

Alguém que é coxo, cego ou seja lá o que for, é alguém que não pode levar etiquetas de quem o não conhece – como dizia a uma amiga com deficiência motora (porque, também ela, pela sua juventude, se apresentava como “deficiente”): deficiência não é identidade – faz parte de quem a tem, mas não é a sua principal caraterística!

Porque o normal é Ser* humano! [*verbo]

2 comentários:

  1. Façamos o que fizermos o "diferente" vai ser sempre motivo de olhares. Não só os tortos, mas os bem vestidos, mal vestidos, etc...
    O problema é o que também focas. Estigma, julgarem-nos, classificarem-nos...
    Mas se continuarmos a não ficar em casa, e enfrentar essas mentes mórbidas conseguiremos pouco a pouco educa-los.
    Gostei muito do teu cantinho. Parabéns. Vou partilhar.
    Fica bem

    ResponderEliminar
  2. Eduardo, para além da tão apregoada diversidade e igualdade de oportunidades, há a lógica da discriminação positiva => somos todos diferentes, cada um com as suas caraterísticas e ESTAMOS TODOS CÁ, todos somos pessoas <= há que dar a cada um o apoio que, eventualmente, precise*. Triste, é alguns só entenderem a normalidade da 'diferença' quando uma qualquer diferença-que-se-note ou cujas necessidades sejam ignoradas pela sociedade lhe bata à porta!
    (*nota: chama-se comunidade ou sociedade aos conjuntos de seres humanos!!!!!)
    O teu blog é um mar de informação - para quem precisa, e para quem quer abrir os olhos.
    :) Eu, estou só a libertar a alma...

    ResponderEliminar