segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Reinventando Camões

Alma minha
gentil
Repousa
viva eu sempre triste
Se esta vida consente, te esqueças
daquele amor
Que já nos olhos meus tão puro viste.
merecer-te, sem remédio
perder-te

Sem comentários:

Enviar um comentário