sábado, 3 de setembro de 2011

o jovem dentro de nós

É verdade que, quase todos, e quase sempre, corremos para um lugar inatingível, forçados por exigências de uma sociedade que nos obriga a ritmos que não são de ninguém…

Porque o fazemos? (se a sociedade somos Nós!)
Porque ninguém ousa quebrar o hábito, mesmo que seja mais do que óbvio que o habitual já não é normal!

Conseguimos momentos em que, uns mais do que outros, (geralmente por exaustão, por desgraça-aparecida, ou por “iluminação” rara) tentamos ser nós próprios, repensar objetivos, estabelecer metas…

Depois de muitas tentativas, eu estava, finalmente, num momento de viragem no meu percurso de vida… e, embora não gostando de “eventos públicos”, resolvi ir conhecer o Ruy…

E foi um daqueles momentos em que os céus, o destino, deus,… essa força suprema em que acreditamos, ou não, me deu o que precisava! – Por isso devemos abrir a alma ao que a vida nos dá, porque a resposta, a força, o “motor de arranque” para as nossas decisões, pode estar em algo bem simples…

…tem 84 anos repletos de sabedoria; estar na sua companhia é um privilégio (que só reconheci depois de ouvir os seus conselhos, as suas histórias!) – Fez-me rir, mas, acima de tudo, fez-me sorrir com cada conselho explícito ou implícito; a cada nova recomendação de alguém tão sábio, repensei decisões, sentimentos…

No final, dirigi-me pessoalmente ao Ruy para agradecer tanta inspiração! – E ele repete a recomendação que tinha feito a todos os que o ouviram naquele fim de dia: “Não nos devemos esquecer do jovem de 18 anos que temos dentro de nós!”

Respondi que andava à procura dela…

(Obrigada, uma vez mais, Senhor Comendador!)

Sem comentários:

Enviar um comentário